Tu és... Time de tradição... Raça, amor e paixão... Oh meu Mengo!!! Eu... Sempre te amarei... Onde estiver estarei... Oh meu Mengo!!!

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Caetano diz que G-4 ainda é objetivo e avalia Oswaldo: "Muito bom"


O momento do Flamengo é definitivamente de blindagem à equipe. Depois da dura coletiva de Oswaldo de Oliveira após a derrota contra o Inter - a quinta em seis jogos -, Rodrigo Caetano também se pronunciou. O diretor-executivo rubro-negro deu entrevista coletiva após o treino desta terça-feira, no Ninho do Urubu. O dirigente, antes de qualquer pergunta, abriu a entrevista refutando qualquer sentimento de fim de festa no Flamengo. De acordo com cálculos do matemático Tristão Garcia, as chances de o time terminar no G-4 do Brasileirão é de apenas 3%.

- Vim aqui par rechaçar qualquer situação de que o ano do Flamengo acabou. O Flamengo tem compromissos até o fim do ano. E chances. Carregamos uma nação por trás. Nossa responsabilidade é enorme. O sentimento de frustração não vai sobrepor a esperança. Depois da arrancada, este elenco nos colocou no G-4 depois de quatro anos. E é com este elenco que vamos até o fim do ano - afirmou.

Rodrigo Caetano também fez questão de elogiar o técnico Oswaldo de Oliveira, responsável pela arrancada, mas que agora vive clima adverso com os últimos resultados. O diretor classificou o trabalho do treinador como satisfatório e que a aprovação não mudou depois da sequência ruim.

- Muito bom (a avaliação de Oswaldo de Oliveira). Mesmo jeito que foi considerado excelente quando tivemos a sequência de vitórias - avaliou.


 
Rodrigo Caetano concedeu entrevista coletiva nesta terça-feira (Foto: Chandy Teixeira)

Entretanto, o diretor classificou que o sentimento da diretoria com os últimos resultados é de indignação. Por outro lado, Caetano defendeu decisões racionais por parte do comando rubro-negro e pediu paciência ao torcedor.

- É óbvio que trabalhamos para o torcedor. Para milhões deles. Aqui se trabalha muito para reverter a situação. A indignação é grande. Vimos uma mudança de postura. Contra o Figueirense, o rendimento foi muito aquém. Contra o Inter, tivemos uma mudança de postura. Trabalhamos num país onde a avaliação vai de zero a 100 muito rapidamente. Mas não emoção não pode ser. Viveríamos um eterno recomeço. Acredito em melhorias. A gente pede paciência ao torcedor. Ele viu o time nas primeiras posições. A distância (para o G-4) não é grande.

O Flamengo vai tentar colocar um fim na má fase diante do líder Corinthians, no próximo domingo, em São Paulo. A distância atualmente para o G-4 é de cinco pontos. Faltam sete rodadas até o fim do Campeonato Brasileiro.

Confira outros tópicos da entrevista de Rodrigo Caetano:

Irregularidade dos adversários

O Flamengo tem um elevado número de derrotas, mas também elevado no número de vitórias. O único dos que brigam pelo G-4 que manteve uma regularidade foi o Santos. O restante oscilou. Isso pode nos dar esperanças.

Condições de trabalho no Flamengo

É obrigação do clube. Você tem que dar o mínimo de condição. Existe sim uma cobrança por melhorias (nos resultados). Até pelas condições dadas. O Flamengo é um dos maiores clubes do Brasil quando o assunto é condições.

Planejamento 2015 e situação de Ederson

Existe o imponderável. Ederson chegou a ter contestações. Chegou aqui pronto para jogar. Tomou uma pancada. Isso acontece no futebol. Fazem ilações quanto à situação dele. Essas são coisas que fogem do planejamento. Nós que estamos deste lado, temos que ter equilíbrio. E não podemos fazer terra arrasada em cada resultado.

Conversa com o elenco antes do treinamento

- Pode parecer que foi uma conversa após uma derrota. A gente sempre se reúne antes de começar a semana. O que muda é o assunto da conversa. A gente usa isso como prática. Existe a conversa, o tom da conversa. O conteúdo vai ficar lá. Dessa forma que a gente estabelece a confiança do torcedor.

Nenhum comentário: