Tu és... Time de tradição... Raça, amor e paixão... Oh meu Mengo!!! Eu... Sempre te amarei... Onde estiver estarei... Oh meu Mengo!!!

sábado, 17 de outubro de 2015

Uma nova chance: lojas do Flamengo lançam programa de emprego para refugiados


No momento em que a União Europeia vive tempos de polêmica sobre o abrigo de refugiados vindos de zona de conflito, o Flamengo, do outro lado do Atlântico, abriu os braços. As lojas licenciadas do Rubro-Negro vão lançar na próxima segunda-feira um programa de empregos e vão contratar 10 congoleses para trabalhar como vendedores.

Fla-Refugiados vai ser oficializada como embaixada rubro-negra (Foto: Divulgação) 
Flamengo já tem uma torcida organizada formada por refugiados: a Fla-Refugiados (Foto: Divulgação)

O processo foi capitaneado por Marcelo Plaisant, diretor da SM Plai, empresa que faz a interlocução do clube com os empresários donos das lojas licenciadas. Plaisant diz que a ideia inicial era contratar cinco refugiados. Mas eles surpreenderam. Principalmente na hora de demonstrar conhecimento prévio sobre Flamengo. Um questionário de perguntas sobre a história do clube foi elaborado. Conclusão: todos os 10 postulantes passaram no teste.

- É uma emoção gigante participar de um projeto como este. Envolve nossas paixões, trabalho e Flamengo. As 56 lojas oficiais empregam cerca de 450 rubro-negros. Ganhamos mais 10 deles. Cheguei com uma folha de papel para contratar cinco, fechei com 10. Todos eles reuniam condições. Tive no processo professores, fotógrafo, enfermeiro, estivador... um deles falava três línguas. Todos vivendo uma condição muito complicada. Muitos choraram de emoção ao ouvir o convite - contou Marcelo Plaisant.

Um destes homens que enxergam agora uma chance de reconstruir a vida é Prince Mabuza, de 29 anos. Nascido na República Democrática do Congo - país que sofre há anos com uma violenta guerra civil -, o professor de matemática passou por Uganda e Quênia antes de chegar ao Brasil por acaso. Isso mesmo, por acaso. No Quênia, Prince ganhou de "presente" uma passagem clandestina em um navio cargueiro. O destino? Ele não sabia. Foi saber depois de 20 dias em alto mar. Era o Brasil. Era o Rio de Janeiro.

- Cheguei aqui sem saber e com muita coisa na cabeça. Chegar em um país totalmente diferente e ainda ter um emprego... Estou feliz. Estou muito, muito, muito feliz. Eu nunca vou esquecer o que estão fazendo por mim. Eu tinha uma situação boa no meu país, mas tive que sair. Tinha uma namorada lá. Não sei onde ela está. Ela e toda minha família. Todos estão desaparecidos. Perdi tudo. Eu agora imagino muitas coisas. Até que a minha família possa vir um dia. Quero ter uma vida como tinha no Congo, onde trabalhava. Sou uma pessoa trabalhadora. Eu sei que vou longe - disse Prince.


Prince segura uma camisa pedinda paz no mundo ao lado de Eduardo Bandeira (Foto: Divulgação) 
Prince segura uma camisa pedindo paz ao lado de Eduardo Bandeira. Congolês ganhou um emprego como vendedor (Foto: Divulgação)

Prince é uma novidade para o Flamengo. Mas o Flamengo não é uma novidade para Prince. Ele é um velho torcedor rubro-negro. Isso desde os tempos em que morava em seu país de origem. Ao falar do time do coração, o congolês desfila conhecimento:

- Eu já gostava do Flamengo quando estava no meu país. Sempre acompanhei. Lembro de Ronaldinho Gaúcho, de Luxemburgo, que era o técnico. O maior é o Zico. Assisti até a final de 2009 do Brasileirão. Copa do Brasil com Elias. Eu sempre acompanhei o Flamengo.

Na próxima segunda-feira, feriado para o comércio, haverá uma confraternização na Zona Oeste do Rio de Janeiro onde os novos contratados serão apresentados aos colegas. Gol de placa!

Nenhum comentário: