Tu és... Time de tradição... Raça, amor e paixão... Oh meu Mengo!!! Eu... Sempre te amarei... Onde estiver estarei... Oh meu Mengo!!!

sábado, 14 de novembro de 2015

Livro oficial dos 120 anos, "A Bíblia do Fla" será lançada em festa na Gávea


Português, Luís Miguel é apaixonado pelo Flamengo (Foto: Arquivo pessoal)
A exemplo do que se observa em religiões, os rubro-negros têm o hábito de eleger seus deuses, anjos e vilões. Hinos de louvor não faltam, e determinadas características são tidas como mandamentos. Outras têm tratamento de pecados. Com 120 anos de história e uma torcida fanática, o Rubro-Negro escolheu "A Bíblia do Flamengo", do português Luís Miguel Pereira, como livro oficial deste aniversário. E a obra será lançada em festa no Salão Nobre da Gávea, neste sábado. O autor não esconde o orgulho pela chancela dada à obra por parte do clube e, de acordo, com o próprio, o fato de ser estrangeiro reforça esse sentimento.

- Fiquei muito honrado ao saber que o Flamengo escolheu esse livro como o oficial dos seus 120 anos. Afinal de contas, sou estrangeiro. Não me sinto como um quando venho ao Brasil, mas sou estrangeiro. Foi feito com muito carinho e paixão, assim como o Zico jogava. Por isso acho que os torcedores vão gostar muito. O Zico, além do talento, jogava com muito amor e paixão - insistiu o jornalista Luís Miguel, que é chefe de redação da emissora lusitana SPORT TV.

A analogia com o futebol de Zico empregada para ilustrar o quão cuidadoso foi com a obra tem uma razão óbvia: o Galinho de Quintino é o protagonista absoluto na transformação do pequeno Luís, no fim dos anos 70, em um rubro-negro apaixonado. Fotos do eterno Camisa 10 da Gávea encadernavam os livros e os blocos do jornalista na infância.

- Mais óbvio seria me interessar pelo vasco, mas desde criança o Flamengo me proporciona um fascínio muito grande. O Zico foi o grande culpado da minha paixão. A revista francesa chamada Onze (Mondial), uma revista muito bem feita e muito bem cuidada, era composta por muitas fotografias. Ela trazia muitas fotos do Flamengo do período áureo. Eu recortava as fotos, colava nas capas dos meus cadernos e levava o Zico comigo para o colégio.

E de Zico, é claro, também veio a principal inspiração para escrever "A Bíblia do Flamengo", que chega a sua terceira edição. De acordo com Luís Miguel, a que será lançada neste sábado, porém, está muito melhorada graficamente e com novas informações. "É praticamente um outro livro, muito diferente", define o autor.

- Quando comecei a escrever livros de futebol, pensei: "Tenho que dar um jeito de escrever um livro que me leve ao Zico". Escrevi o livro, o Zico fez o prefácio e realizou meu sonho de criança. O Flamengo de hoje é totalmente diferente dos tempos áureos e isso me deixa muito triste, mas o fascínio que tenho ainda é muito grande. É aquela camisa rubro-negra, que me causa um apelo muito grande - encerrou Luís, que acompanha o Flamengo de Portugal pela Globo Internacional e via internet.



Nenhum comentário: